Novos tempos na Caparaó

Construtora segmenta seus empreendimentos em quatro linhas para atrair novos clientes, mas alto padrão continua sendo seu ponto forte.

RAFAEL CAMPOS - Revista Encontro

Com a turbulência no mercado econômico, algumas empresas estão revendo seus modelos de atuação. Em especial, na área de construção civil, que vive momento delicado, com grande oferta de produtos e baixa liquidez. Um exemplo dessa visão é a Caparaó. Há quase 60 anos no mercado imobiliário, a construtora lançou quatro novas linhas: Premium, Light, Concept e Business. A grande novidade é que, a partir da linha Light, a empresa passa a comercializar produtos mais acessíveis, se comparados aos imóveis de luxo que continuam sendo sua marca registrada. A leve guinada nos negócios permitirá, segundo os dirigentes da empresa, que a construtora continue crescendo. A previsão, apesar de todos os índices negativos, é crescer 15% neste ano.

Para Maria Cristina Valle, vice-presidente do Grupo Caparaó, a categoria com imóveis mais baratos, pelo menos por enquanto, é direcionada a investidores. “São imóveis que custam em média 9 mil reais o metro quadrado, bem abaixo das unidades da linha Premium, que giram em torno de 15 mil reais o metro quadrado”, diz. Segundo ela, os materiais utilizados no segmento Light são industrializados, mas continuam seguindo o que há de mais moderno no mercado. Essa segmentação vai permitir que a empresa explore novas regiões da cidade. “Belo Horizonte se expandiu muito nos últimos anos, e bairros importantes como Santo Antônio, Centro, Serra e Sion, na região Centro-Sul, e Floresta, na Leste, acabaram ficando de fora dos nossos negócios”, afirma. Na categoria Premium, os imóveis são de alto luxo e com grande possibilidade de customização. Já a Concept é um segmento que abrange unidades entre Premium e Light, e a Business, como o nome sugere, de perfil comercial.

A Caparaó é conhecida pelos empreendimentos de altíssimo padrão. É o caso do edifício St. Thomas Residence, representante da categoria Premium, entregue este ano no Santo Agostinho. Ele foi incorporado a uma casa da década de 1950 tombada pelo Patrimônio Histórico. Construído com o que há de mais luxuoso em acabamento e acessórios, tem lustres de cristal Baccarat, papéis de parede Versace e móveis trazidos de Milão, na Itália.
Na categoria Concept, o residencial Albert Scharlé, no bairro Luxemburgo, traduz bem a linha entre Premium e Light. “Ele é Light no condomínio, mas Premium na área de lazer, que fica no 19º andar, com vista panorâmica”, explica Letícia Valle, uma das arquitetas supervisoras de projetos e produtos da construtora. O prédio deverá ser concluído em 2017. Um dos exemplares do segmento Business é o Domani (finalizado recentemente), cujos traços iluminados por LED na fachada – a exemplo da torre Renaissance Work Center, no Funcionários – chamam a atenção na paisagem noturna de BH. O residencial Solar Aimorés, com previsão de entrega em 2018, é da categoria Light, mas com localização especial, a 650 metros da praça da Liberdade.

A ideia de criar novas linhas de produtos foi gestada ainda em 1997, quando a Caparaó lançou o Option Line, que permitiu aos compradores decorar os apartamentos a sua maneira, dentro de uma carta de opções. A partir desse sistema, foram traçados perfis dos clientes, até chegar ao novo modelo de ofertas de empreendimentos. Segundo Maria Cristina Valle, essa nova estratégia não significa uma padronização. “Independentemente da linha, não repetimos material, diz. Repetimos processos, mas produtos jamais”, diz.
Mais Notícias

Notícias Relacionadas: